quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A todos os nossos Leitores um feliz Natal!


Para marcar o final deste ano, a Contraponto convida todos os visitantes do nosso blogue a participarem na sondagem destacada na coluna à direita, em que perguntamos aos nossos Leitores o que os levaram a adquirir os títulos da Contraponto durante o ano de 2010. Agradecemos desde já a vossa participação.

Aproveitamos para desejar a todos um feliz Natal, com os desejos de muitas e boas leituras para 2011.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Em Janeiro



Frankenstein – Livro 1 – O Filho Pródigo
Dean Koontz

Mais de 8 000 000 de exemplares vendidos em todo o mundo

Publicado em mais de 20 idiomas

Cerca de 200 anos depois de ter criado o seu monstro, Victor Frankenstein (agora conhecido como Victor Helios), instalou-se em Nova Orleães. As suas experiências e a sua investigação estão cada vez mais sofisticadas; já não tem de roubar cadáveres em cemitérios para construir as suas criaturas, e desenvolveu uma tecnologia que lhe permite escapar ao envelhecimento. O seu plano consiste em propagar por Nova Orleães espécimes da sua Nova Raça de criaturas perfeitas, destinadas a exterminar e a substituir os «imperfeitos» seres humanos.

A única criatura capaz de travar este plano diabólico é o misterioso Deucalião – o primeiro «monstro» criado por Frankenstein. Aparentemente imortal e indestrutível, Deucalião parece possuir também uma alma e uma consciência quase humanas. Mas será isso suficiente para impedir os planos do seu monstruoso criador?

Sobre o autor:
Com uma vasta obra (que inclui contos, romances, livros infantis e memórias, e percorre géneros como a fantasia, o terror e a ficção científica), publicada em mais de 40 idiomas e com mais de 450 000 000 de exemplares vendidos em todo o mundo, Dean Koontz é um dos autores de maior sucesso dos nossos dias.

Elogios:
«Dean Koontz tem um poder descritivo e um sentido de ritmo com que poucos escritores conseguem rivalizar.»
Los Angeles Times

«Os livros de Dean Koontz são irresistíveis e arrepiantes.»
The Washington Post Book World

«Dean Koontz tem o dom de fazer o bizarro e o terror parecerem tão quotidianos quanto o nascer do Sol. Um mestre do suspense.»
People

«Um mestre do drama psicológico»
USA Today

«Nenhum outro autor de best-sellers tem um estilo tão elegante como Dean Koontz. As suas personagens são memoráveis e a sua capacidade única de juntar o humor e o suspense é absolutamente cativante.»
Publishers Weekly

«Um verdadeiro fenómeno literário.»
Kirkus Reviews

«Dean Koontz tem a mestria de criar mundos vívidos e assustadoramente realistas.»
Booklist

Site do autor: http://www.deankoontz.com/

Imprensa: Ninguém Viu

«A literatura policial sueca não cessa de surpreender a Europa e o Mundo, e este livro é já um sucesso por todo o lado. Passado numa aparentemente tranquila Ilha de Gotland, onde a temporada turística está ao rubro quando uma jovem rapariga e o seu cão aparecem brutalmente mutilados, lançando o caos na ilha. Com um ritmo e uma trama de grande eficácia, somos levados na leitura por um inspector rústico da província, pelas suspeitas de que o assassino pode ser o marido da jovem, até que uma colega dela aparece morta também e, aí, o caso explode numa correria que nos deixa colados às páginas até ao fim. Muito bom.»
GQ, Dezembro de 2010

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Antevisão 2011 - As novidades que por aí vêm!

A Contraponto já preparou a sua agenda editorial para o primeiro trimestre de 2011 e as novidades são irresistíveis!


Para começar, continuaremos a apostar na literatura juvenil com o lançamento de uma série de cortar a respiração e sobre a qual já fizemos um destaque no blogue. Trata-se da série Conspiração 365, de Gabrielle Lord, com publicação prevista de um livro por mês ao longo de todo o ano. Para saber mais sobre os livros e a autora poderão espreitar o fantástico blogue que criámos para a série: http://conspiracao365.blogspot.com/





Ainda dentro do género infanto-juvenil será editado o tão esperado segundo volume de ghostgirl, cujo título em português é O Regresso.


Se gostou de O Beijo dos Elfos, de Aprilynne Pike prepare-se porque vem aí o segundo volume da tetralogia best-seller do New York Times, e que se chamará Feitiços. Chamada a estudar na Academia de Avalon, Laurel, de dezasseis anos, aprende sobre a cidade com o amigo Tamani, ao mesmo tempo que refina os seus há muito esquecidos dons de fada do Outono a fim de proteger a sua família humana e Avalon dos trolls.




Para os adultos será lançada uma série muito especial sob a pena de Dean Koontz – Frankenstein –, com o primeiro volume da série, intitulado O Filho Pródigo, a sair já em Janeiro, ao qual se seguirá A Cidade das Trevas e Morto e Vivo.


Se gosta de policiais não perca ainda Eu Mato, de Giorgio Faletti, autor best-seller de Itália. Um locutor da Rádio Monte Carlo recebe, durante a sua transmissão nocturna, um telefonema intrigante. Um desconhecido, com a voz modificada artificialmente, revela ser um assassino. O facto é arquivado como uma brincadeira de mau gosto. No dia seguinte, um piloto de Fórmula 1 e a sua companheira são encontrados mortos e horrendamente mutilados no seu barco. Começa assim uma série de assassinatos. Cada um deles precedido por um telefonema para a Rádio Monte Carlo com um indício "musical" sobre a vítima que se segue, e acompanhado por uma inscrição a sangue que é, ao mesmo tempo, uma assinatura e uma provocação: Eu mato... Para Frank Ottobre, agente do FBI de licença temporária, e Nicolas Hulot, comissário da Sûreté Publique, começa a caça a um fantasma.


Estas são para já as grandes apostas da Contraponto para os primeiros meses de 2011. Torne-se Seguidor do nosso blogue e quem sabe não se habilita a ganhar um destes fantásticos livros. Fique atento!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Passatempo «Natal com a Contraponto» - Actualizado




Após uma participação fantástica dos nossos leitores e apreciadas todas as frases, já foram escolhidas as duas melhores e os vencedores já foram contactados! Muitos parabéns a todos os participantes!






As frases vencedoras:

«O passado e o presente alinhavados num romance encantador! Uma colecção de moda vintage e de personagens cativantes numa história mesmo à sua medida!»
de Sílvia Ginga
Livro: Um Amor em Segunda Mão

«Quando o acaso se une a (des)encontros mordazes e hilariantes emergem momentos em que a História e a estória se confundem e completam. Tarantino revela nesta obra aquilo a que sempre nos habituou na sua filmografia de arte: histórias alternativas afiadas salpicadas de vermelho sangue.»
de Maria João Macário
Livro: Sacanas Sem Lei

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Um apelo muito especial da autora Richelle Mead

A autora Richelle Mead faz um pedido aos seus fãs para que se juntem à página oficial do filme Academia de Vampiros, no facebook. Para saber mais ir aqui.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Boas festas 2010!

Às portas de Dezembro, a Contraponto abriu oficialmente no blogue a época das festas e para celebrar vestiu-se a rigor. Com um passatempo de Natal a decorrer, que já conta com mais de 50 participações (um número fantástico, dado o desafio proposto!), estamos a preparar para os nossos leitores uma antevisão muito especial daqueles que serão os lançamentos do primeiro trimestre de 2011. Fiquem atentos! E enquanto as novidades não chegam, aproveite para espreitar aqui e descobrir como se habilitar a ganhar dois livros da Contraponto.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Crítica: "Rubi"

«Pertencer a uma família cheia de segredos não é fácil, ou pelo menos é o que pensa Gwendolyn Sheperd, de 16 anos. Até que um dia se vê em Londres do final do século passado e se apercebe de que ela própria é o maior segredo da família. Do que Gwendolyn não se apercebera é que apaixonar-se quando se está presa num tempo diferente não é nada boa ideia. Tudo se pode complicar...

Rubi traz-nos a história de Gwendolyn, uma adolescente típica inglesa dos nossos dias, mas a sua família é tudo menos típica, pois no seu sangue transportam um gene muito especial: o Gene da Viagem no Tempo. Todas as gerações, na sua família aparece alguém muito especial com o talento de viajar no tempo, e contra todas as expectativas Gwendolyn foi a vencedora desta lotaria genética. Agora sem estar minimamente preparada para este dom, a protagonista vê-se no centro de uma tempestade de conspirações, traições e um roubo que atravessam o tempo. Reverbando através das épocas e através de gerações.
Kerstin Gier, é uma autora alemã, que apesar de ter uma série de obras publicadas no seu país, é praticamente uma desconhecida em Portugal e vê agora um dos seus livros traduzido pela primeira vez para Português.
Pode-se dizer que Rubi é uma verdadeira gema. Desde o design invulgar da capa à contracapa, à própria história. Uma tradução cuidadosa e uma revisão imaculada, aliada à edição do texto com os títulos, inícios de capítulos e paginação em cor-de-rosa (uma discreta alusão ao título do livro).
Claramente esta é uma obra direccionada a um público mais jovem, mas mesmo os leitores mais experientes, à procura de uma leitura mais leve e espirituosa e que os transporte de volta às inseguranças e dúvidas da adolescência, encontrarão aqui o que procuram.

Rubi é o primeiro volume da trilogia, com o segundo livro – Saphirblau - Liebe geht durch alle Zeiten –, já publicado na Alemanha.»
Joana Neto Lima, Bela Lugosi is Dead

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Passatempo «Natal com a Contraponto»

Propomos um novo desafio aos nossos leitores:


O desafio é escrever um elogio a um livro da Contraponto, a fazer lembrar as frases do New York Times ou do Publishers Weekly que costumam acompanhar os textos de contracapa dos livros. Há muitos exemplos espalhados pelo blogue, é só procurar.
Os autores das duas frases mais criativas e originais receberão um prémio muito especial: dois livros à escolha de entre as novidades da Contraponto lançadas em Outubro e Novembro!

Comece já a pensar num bom elogio e boa sorte!

Condições do passatempo:
1. As frases deverão ser enviadas para o e-mail: passatp.contraponto@sapo.pt , com o nome do passatempo no Assunto, bem como o nome completo e morada, para a qual o prémio deverá ser enviado;

2. O prazo deste passatempo termina a 5 de Dezembro, inclusive;

3. Os vencedores serão anunciados terça-feira, dia 7 de Dezembro;

4. Será enviado um e-mail aos vencedores a confirmar a atribuição do prémio e a solicitar os títulos escolhidos a serem enviados. Cada um dos dois vencedores poderá escolher dois títulos (1 exemplar de cada) da lista a baixo apresentada, correspondente às novidades de Outubro e Novembro de 2010:

A Primeira Noite, Marc Levy
O Beijo das Sombras – Vampire Academy, Richelle Mead
O Diário, Eileen Goudge
Deixa-me Entrar, John Ajvide Lindqvist
Monster High – Uma Escola Diferente, Lisi Harrison
Ninguém Viu, Mary Jungstedt
Rubi – O Amor Atravessa Todos os Tempos, Kerstin Gier

5. Só serão aceites participações de pessoas residentes em Portugal Continental e Ilhas;

6. Só é aceite uma participação por pessoa;

7. O júri é composto por elementos da Editora;

8. A Editora reserva-se o direito de não atribuir prémio, caso o júri não considere que qualquer das frases submetidas seja minimamente original;

9. A Editora não se responsabiliza por extravios dos CTT, moradas incorrectas ou envios não reclamados.

Crítica:

«Rubi – O Amor Atravessa Todos os Tempos foi um livro que me divertiu imenso. A capa é lindíssima, muito propícia ao toque, e a organização dos capítulos está muito elucidativa, suscitando automaticamente interesse por todo o passado histórico que a narrativa alberga. É um livro de muito, muito fácil leitura. Aliás, lê-se num instante!, e a gargalhada e o sorriso são inevitáveis. A história de Gwendolyn não é nova, pelo menos no que se refere a ser uma adolescente “normal” que, de um dia para o outro, descobre ser portadora de um dom (ou maldição). Neste aspecto, não há nada de novo. Contudo, isto são cerca de vinte a trinta páginas do livro, o que permite com que as restantes fluam com uma criatividade pura e divertida. Toda a questão do gene é interessante, talvez até um pouco confusa, e, como vai sendo explicado ao longo da trama, isso deixa sempre presente, no leitor, uma impulsividade inerente para descobrir mais e continuar a ler mais e mais. As peripécias e aventuras, após Gwendolyn conhecer Gideon, e as conversas que esta vai tendo com a sua melhor amiga, Leslie, são simplesmente divinais. Inclusive, o próprio conteúdo e desenvolvimento da narrativa está muito bem construído e, por isso, este é um daqueles livros que custa horrores fechar e colocar de lado. Ter tempo para a escola, para um possível romance a, ao mesmo tempo, viajar diariamente pelo tempo, conhecendo os seus antepassados e tudo o que foi alterado com o avançar para o futuro, é simplesmente de agarrar o leitor às páginas. Ainda para mais, não podia ter escolhido um melhor momento para a história deste primeiro volume terminar, deixando um bichinho super curioso a saltitar no estômago.

É uma leitura direccionada para os jovens adultos, mas penso que qualquer pessoa conseguirá tirar proveito dela, uma vez que se trata, de facto, de um livro giro e engraçado. Um óptimo presente de Natal, para quem já está a pensar nisso, e uma excelente e descontraída leitura de Outono. Uma história que recomendo sem reservas pois não tenho dúvidas de que proporcionará, a qualquer leitor, um bom momento de deleite e prazer.
Gostei muito. Uma autora e uma personagem principal que, com muito gosto, irei continuar a acompanhar.»
Patrícia Santos, O Segredo dos Livros

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Crítica:

«Oskar e Eli. De formas diferentes, são ambos vítimas. É por isso que, contra todas as probabilidades, se tornam amigos.

Oskar tem 12 anos e vive com a mãe num bairro social em Blackeberg, um subúrbio cinzento e pacato de Estocolmo. O pai desapareceu das suas vidas e ele é vítima de bullying na escola. Eli é uma rapariga misteriosa e reservada, que se muda com o pai para o apartamento ao lado. Eli não vai à escola e só sai de casa à noite. Presos cada um na sua solidão, Oskar e Eli encontram um no outro a compreensão que o mundo lhes nega. E quando o lado mais obscuro de Eli se revela, Oskar descobre o verdadeiro preço da amizade…
- Diz que posso entrar. - Podes entrar.
Este é sem dúvida um dos livros do ano. Da primeira à última palavra, Lindqvist agarra o leitor e transporta-o pelas ruas de Estocolmo no Inverno de 1981, pelas ruas de um bairro social, Blackberg, completamente diferente da ideia da Suécia organizada, limpa e ordeira.
Deixa-me Entrar é um verdadeiro eye-opener. Com uma escrita simples, despretensiosa e realista, o autor apresenta-nos uma história da amizade de um vampiro com um rapazinho marginalizado, vítima de bullying e com um pai distante e alcoólico.
Este romance é sobretudo uma acutilante crítica à sociedade Sueca. Uma crítica que podemos, sem qualquer esforço, generalizar e aplicar a fórmula um pouco por todo o mundo. Desde os bairros sociais decadentes e esquecidos, aos pretensiosos e deslocados Condomínios fechados, tão em voga neste século XXI. Todos eles “recheados” de pessoas frias e alienadas, que só se apercebem disso quando enfrentam a Morte ou situações que lhes fogem do controlo e não conseguem ser explicadas de forma científica e socialmente aceite.
Lindqvist aborda temas chocantes, e quase tabu nos nossos dias, mas com a sua escrita não conseguem verdadeiramente chocar o leitor. Nenhum acto de raiva, nenhum acto de violência é gratuito e por vezes o leitor vê-se mesmo do lado do assassino, cometendo actos terríveis, sem pestanejar e sem qualquer vestígio de culpa.
Linqvist apresenta-nos um mundo em que as crianças não são espectadores inocentes dos horrores, elas são os personagens principais... não são o futuro do mundo, são o presente e sabem mais dos que os adultos que os rodeiam desejam.»
Joana Neto Lima, Blogue Bela Lugosi is Dead

Imprensa:

«Os fios da meada

Num fio da meada somos apresentados à família al-Kharrat, apelido que significa "exagerado", "contador de histórias incríveis", "mentiroso". Num outro fio da meada, acompanhamos as estranhamente mágicas aventuras da escrava Fátima. E ainda num terceiro, desenrolam-se contos e estórias de sultões e vizires, tesouros ignotos ou esquecidos, génios do bem ou muito pouco geniais, árvores miraculosas e ervas maléficas, poções de perdição e encantamentos de rendição.
Estes fios serpenteiam entre si, entrelaçando o leitor nos vários estratos narrativos e formando uma extensa teia de personagens, missões e ensinamentos.
Entre uma Beirute actual e as mil e uma histórias contidas no imaginário colectivo dos países do Médio Oriente, perduram as irredutíveis areias do deserto, os mistérios imprevisíveis e um rol de criaturas improváveis.
É nessa viagem de histórias dentro de histórias que o autor mostra paralelismos e evidencia lições análogas, apesar de distanciadas em séculos. No cerne desta obra está o personagem de Osama al-Kharrat, que assume a missão de fazer com que as narrativas milenares não caiam no esquecimento. Esta é uma tarefa que de algum modo o autor partilha, ele sim, um "hakawati" na total assumpção do termo, ou seja, um inato contador de histórias.»
Os Meus Livros, Novembro 2010

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Já começa a parecer Natal!

Em Novembro as ruas começam a ficar mais bonitas com as decorações de Natal que proporcionam um bonito espectáculo de luz e cor. As montras enfeitam-se para a época e as campanhas já invadem os televisores de casa com promoções irresistíveis. Para quem gosta de fazer a sua lista de presentes com antecedência, a Contraponto deixa as sugestões deste mês. Espreite aqui as nossas novidades, recheadas de fantasia, romance e aventura. A Contraponto regressa em 2011, com muitas surpresas a abrir o novo ano.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Antevisão 2011


GABRIELLE LORD



Callum Ormond foi avisado.

Ele tem 365 dias.

A contagem decrescente começou...

12 livros. 12 meses.



UMA SÉRIE EXPLOSIVA!

Uma aventura de cortar a respiração!



Na véspera de Ano Novo, Cal é seguido por um estranho homem que lhe lança um alerta: “Mataram o teu pai. Vão matar-te. Tens de sobreviver nos próximos 365 dias!”

Empurrado para uma vida em fuga, com a cabeça a prémio, o fugitivo de 15 anos vê-se sozinho, sem ter quem o ajude. Perseguido pela Lei e por criminosos impiedosos, Cal tem de descobrir a verdade sobre a misteriosa morte do seu pai e um segredo capaz de mudar o rumo da História. A quem pode ele recorrer? Em quem pode ele confiar quando parece que o mundo inteiro o quer ver morto?

O relógio não pára. Cada segundo pode ser o último da sua vida.


A aventura começa em Janeiro de 2011!


Para saber mais sobre a série ir aqui.



Brevemente

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Outubro... sinónimo de Outono

Com a chegada do Outono, regressam os dias frios, a chuva, as castanhas assadas, o chocolate quente. Estes dias mais cinzentos também propiciam à leitura e a Contraponto deixa aqui as sugestões deste mês para que passe umas tardes de fim-de-semana bem acompanhado/a!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

O amor atravessa todos os tempos

O que fazer quando alguém se dá conta de que subitamente está no passado – num passado longínquo, não de décadas, mas de séculos? Bem, em primeiro lugar há que manter a calma – é o que Gwendolyn pensa. E vai-lhe ser necessária muita calma, quando descobre ter herdado da família um invulgar gene que lhe permite viajar no tempo.


Com o arrogante (mas muito giro!) Gideon como companheiro de viagem, daqui em diante as surpresas não param. Por ser a mais jovem portadora do gene, Gwendolyn é escolhida para uma missão muito importante: viajar por várias épocas para impedir alguns erros e, basicamente, pôr o passado em ordem!

Entre alguns acidentes de percurso e algumas discussões, este casal tão desigual envolve-se em aventuras de toda a espécie… e ao longo de todos os tempos. Pouco a pouco, vão descobrindo que seja em que século for os opostos sempre se hão-de atrair, e que o passado já não é o que era…

A não perder, em Outubro, Rubi - O Amor Atravessa Todos os Tempos

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Conto vencedor do passatempo "Conte-nos Uma História"

Ghostboy - Espírito Inquieto
Célia Cristina Amador


Um grito rompeu o véu da noite. Paula acordou. Aquele grito… teria sido um pesadelo? Parecia tão real! Apercebeu-se de que adormecera à espera de Luís. Sentiu um arrepio percorrer-lhe o corpo. Luís nunca se atrasava! Tentou ligar-lhe mas o telemóvel não dava sinal. Tinham passado várias horas e nada… nem sinal dele. Onde estaria Luís?!!
Em pânico, Paula sentou-se no degrau à entrada de casa. Foi aí que viu um objecto intrigante. Junto ao tapete, estava uma caixinha branca com um laço vermelho e um cartão. Pensou que poderia ser uma surpresa de Luís. Correu para a caixa e leu o cartão. Este dizia apenas, em letras recortadas, “Para que nunca te esqueças”. A tremer, desapertou o laço e abriu a caixa. O seu grito, longo e intenso, ecoou naquela noite silenciosa. Dentro da caixa estava uma foto sua com Luís, a mancha de sangue mal deixava ver o rosto do seu amado. Voltou a casa e correu para o telefone para pedir ajuda a Joana, a mãe de Luís.
Paula sentia algo estranho, uma presença, mas só lá estava ela! Enquanto aguardava pela mãe de Luís, deambulou pelo quarto. Por cima da mesa-de-cabeceira de Luís estava o troféu que ele tinha ganho no torneio de ténis. Paula tinha a certeza de que o deixara na prateleira dos troféus! De repente, sentiu algo no pescoço, como se alguém lhe tivesse assoprado, e ficou toda arrepiada. “Quem está aí?” – gritou. Ninguém, não estava ali ninguém. “Estou a ficar louca”, pensou. Os seus pensamentos foram interrompidos pela chegada de Joana. Consigo vinha Jorge, um amigo da Polícia. Paula relatou os acontecimentos enquanto Jorge tomava apontamentos. Quanto terminaram, o polícia pediu-lhes que aguardassem desenvolvimentos. A foto ensanguentada foi levada como prova. Joana ficou com Paula. Esta sentia-se exausta. Nada mais podia fazer e precisava de descansar… Tomou um calmante e adormeceu.
De manhã, Paula foi acordada pelo toque do telefone. Era da Polícia. Tinham encontrado o carro de Luís com um corpo no interior. Pediam-lhe que fosse reconhecê-lo. Vestiu-se, a cambalear, e seguiu com Joana para a morgue. Lá, o que viu deixou-a paralisada de horror. Ali estava ele, morto, numa maca, com uma serenidade no rosto que a deixou em estado de choque. Virou a cara e controlou o vómito. Tinha de sair dali! Sentia-se sem forças. Quem foi? Precisava de descobrir o que se passava!
Quando regressou a casa apercebeu-se de que esta estava às avessas. Ainda em estado de choque, começou a fazer a cama quando, debaixo da almofada, encontrou uma foto antiga de Luís com o João, amigos de longa data, na altura em que ambos participavam nos torneios de ténis. Como teria ido ali parar?!! Algo de estranho se passava. Estaria o assassino de Luís a tentar dizer-lhe algo? Sentia-se no meio de um pesadelo. Fechou os olhos e… de novo aquela presença estranha no quarto; desta vez empurrava-a para fora. Deu por si a caminhar sem saber para onde, guiada apenas por uma força estranha.
Apercebeu-se de que parara à porta de João. O que fazia ali? Bateu à porta, sem saber o que procurava, mas ninguém apareceu e eis que a porta se entreabriu por si mesma. Pé ante pé entrou, subiu as escadas e, no quarto, lá estava ele, o troféu, semelhante ao de Luís, que João ganhara ao ficar em 2.º lugar no último torneio em que participaram juntos. Estava coberta de sangue e de cabelos. Não podia ser! Encontrou João, embriagado. Este acabou por confessar-lhe tudo: “Eu não aguentava mais ser o segundo em tudo. Perdi os torneios; na escola, o Luís foi sempre o melhor, e contigo… também te ganhou. Perdi em tudo mas agora ganhei! Deixei-te aquele presente para que soubesses que o vosso amor acabou.”
Paula ligou de imediato à Polícia. Sentiu-se subitamente mais leve, descobrira o assassino. Mas ainda sentia aquela presença que a acompanhara até ali… De repente, algo caiu no chão, mesmo à sua frente. Era um bilhete, escrito em letras douradas com uma caligrafia que tão bem conhecia. A mensagem era simples: “Obrigada. Sabia que irias descobrir. Estarei sempre contigo. Amo-te! Do teu ghostboy, Luís”. Sentiu um beijo no rosto e um frio intenso e, de repente, tudo voltou ao normal. O frio passou, desaparecera aquela presença, que agora sabia ser de Luís, ele partira de vez. “Descansa em paz meu amor”, disse baixinho, enquanto o som das sirenes da Polícia se aproximava.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Passatempo "Conte-nos uma história" - Vencedor

O texto vencedor do passatempo é:


Ghostboy - Espírito Inquieto
de Célia Cristina Amador


Parabéns à vencedora que receberá como prémio um voucher de € 10,00 das Livrarias Bertrand, 1 exemplar do livro "O Contador de Histórias" de Rabih Alameddine e 1 exemplar do livro "A Mecânica do Coração"!

O texto vencedor será publicado brevemente aqui no blogue.


Um agradecimento a todos os participantes que embarcaram neste desafio e enviaram os seus textos. Mas não desanimem porque haverá outras oportunidades para ganhar um dos nossos fantásticos livros. Esteja atento/a!

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Imprensa - A Filha do Sol

«Entre a sedução e a traição

Uma saga envolvente sobre a luta de uma mulher pela sua sobrevivência no seio do exótico e perigoso mundo da corte tolteca

"A Filha do Sol" é o mais recente romance da inglesa Barbara Wood, editado pela Contraponto, numa saga envolvente sobre a luta de uma mulher pela sua sobrevivência no seu do exótico e perigoso mundo da corte tolteca. No cenário do Chac Canyon e do misterioso povo anasázi, "A Filha do Sol" é um romance inesquecível sobre o poder, a sedução, a morte e a traição. Conta a história de Hoshi'tiwa, uma rapariga de dezassete anos, que levava uma vida tranquila: filha de um humilde cultivador de milho, tencionava casar com um aprendiz de contador de histórias. Porém, o seu mundo é virado do avesso ao ser capturada pelo poderoso e violento governante de uma cidade infame, conhecido pela sua enorme riqueza e pelos inenarráveis actos de violência cometidos em seu nome. Hoshi'tiwa é assim repentinamente lançada para a corte do Senhor da Escuridão e, ao mesmo tempo que tenta sobreviver, inicia um romance ilícito com o único homem capaz de a destruir.»

Algarve Vivo, Agosto, 2010

Imprensa - Álbum de Família

«Existem escritores dos quais se diz que venderiam milhões mesmo que publicassem as respectivas listas telefónicas. David Sedaris seria, porventura, o único capaz de transformar a sua lista telefónica num livro hilariante, que merecesse vender milhões. Pelo menos foi isso que se verificou em todas as suas outras obras, entre as quais "Diário de Um Fumador" e "Eu Falar Bonito Um Dia", e é o que se verifica agora em "Álbum de Família". Nelas, Sedaris pega nas suas memórias e, com um talento invulgar, passa-as para o papel, divididas em pequenos episódios recheados de humor e ironia. Em "Álbum de Família" ninguém escapa à sua crítica: pais, irmãs, vizinhos... e até (ou especialmente) ele próprio, já que o escritor não se retrai na auto-crítica. A linguagem intimista ajuda o leitor a sentir-se realmente no mundo de Sedaris, quer se reveja ou não nos episódios que este conta, e o resultado final é um livro descontraído e divertido, cujos 22 capítulos (cada um corresponde a uma pequena história) se lêem num sopro. Resta referir que, nos Estados Unidos, "Álbum de Família" (o nome original é "Dress Your Family in Curduroy and Denim") alcançou a primeira posição na lista de livros mais vendidos de não-ficção do New York Times, aquando do seu lançamento. Fica apenas por saber se é verdade quando Sedaris diz que "quem lê o diário de outra pessoa, tem o que merece".»

Urban Man, Agosto, 2010

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Rentrée!

Após uma breve pausa para um merecido descanso, a Contraponto regressa com novidades excitantes que farão esquecer as tristezas do regresso ao trabalho.
Nesta rentrée a Contraponto aposta em títulos capazes de nos transportar para outras realidades tão interessantes como extraordinárias: um leva-nos para o Médio Oriente e envolve-nos numa história que cruza o mito com o quotidiano seduzindo o leitor desde a primeira página; noutro somos convidados a entrar numa loja de roupa vintage e a conhecer as deliciosas histórias que cada peça encerra; noutro ainda seguimos o dia-a-dia de um jovem que vê a sua vida virada do avesso quando é despedido por ter sido apanhado a vestir o sutiã de uma colega em plena sala de professores do colégio onde dá aulas e depois se cruza com um cavalheiro que ganha a vida como acompanhante de velhinhas de alta sociedade; por fim, o que faria se de repente encontrasse uma desconhecida no armário da sua casa de banho?

Ficou interessado/a? Espreite aqui a selecção de livros que preparámos para si neste mês de Setembro. Boas leituras!

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Imprensa: "Álbum de Família"

«Uma família americana

Anterior a "O Diário de Um Fumador" (Contraponto) mas posterior a "Eu Falar Bonito Um Dia" (Fenda), "Álbum de Família", de 2004, é como todos os outros livros de David Sedaris: uma colecção de ensaios na primeira pessoa, cómicos e sobretudo autobiográficos. Alguns são exercícios de puro humor - como a constatação de que os cegos podem ter licenças de caça no Texas, ou de que na versão holandesa do mito do Pai Natal este não é acompanhado por duendes mas por "seis a oito homens de cor". Outros são reflexões melancólicas em que a sua (numerosa) família é quase sempre a personagem principal. Sedaris, como Augusten Burroughs ou David Rakoff, tem um extraordinário talento para encontrar o sublime, o ridículo e o comovente na banalidade da vida quotidiana. O seu sentido de humor corrosivo tornou-o popular ao ponto de as suas sessões de leitura esgotarem grandes salas de espectáculos e ser convidado a ler excertos dos seus ensaios em "talk shows" televisivos como o de Conan O'Brien.
A família Sedaris, essa, já desconfia: "Cada vez mais, as suas conversas começam com frases como 'tens de me jurar que nunca vais contar isto'." Felizmente para os leitores, Sedaris continua a ir contando.»
Os Meus Livros, Agosto 2010

terça-feira, 27 de julho de 2010

Crítica dos Leitores: "Vingança"

«Vingança é o segundo livro da série Fever da Karen Marie Moning, uma das séries mais viciantes e mais apaixonantes, que já li até ao momento.
Um livro repleto de humor, acção, sensualidade e muito mistério, que nos deixa agarrados até à última pagina, literalmente a chorar por mais.
Eu sou fã incondicional, recomendo este livro a toda a gente, que aprecia o género, a autora sabe como nos prender e como aguçar o nosso apetite por mais.»
Segredo dos Livros, Julho 2010

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Crítica dos Leitores: "Os Filhos da Liberdade"

«Amei o livro.

Confesso que há muito que não lia nenhum livro baseado em factos verídicos nem histórico, no seu verdadeiro sentido da palavra.
Os Filhos da Liberdade é um livro completamente emocionante, abalador, arrebatador, comovente e cheio, cheio, cheio de lições para quem as quiser ver.
Eu ri, deitei lágrimas, senti nojo, senti amor, senti uma tristeza gigante, senti esperança, senti tanta coisa em tão poucas páginas que é impossível descrever os sentimentos que o livro provoca.
Os nazis foram sem dúvida marcantes na história da Europa. O tipo de acontecimentos que o livro descreve traz à nossa garganta toda a repugnação do tempo. Mas tal como descreve toda aquela violência e maldade, mostra-nos como uma cambada de estrangeirotes que mal 20 anos têm, lutam por um país que não é o deles, por uma liberdade que tanto ambicionam, por um amor que acham que nunca vão ter.
Confesso que adorei a relação Jeannot - Claude. Que dois irmãos.. A sério.. E a resistência.. Bem, eles lutaram todos que nem uns desalmados que acabaram por se tornar, para finalmente conquistarem a sua liberdade. Um dia a Primavera voltará.
Dou 5/5 a este livro.»
Segredo dos Livros

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Imprensa: "Álbum de Família"

«Supostamente, os livros de David Sedaris são autobiográficos. Não só as histórias são narradas na primeira pessoa por um escritor chamado David Sedaris, como os acontecimentos e personagens (família, amigos, namorado) que rodeiam o “Sedaris livresco” correspondem genericamente aos do “Sedaris real”. Sim, Sedaris nasceu em 1956, tem mesmo antepassados gregos, quatro irmãs e um irmão e passou a infância em Raleigh, Carolina do Norte, saltitou por uma sucessão de empregos medíocres antes de triunfar como escritor, e vive em França com o namorado Hugh.

Nas livrarias e na New Yorker (onde muitas histórias têm sido publicadas antes de reunidas em livro), os textos de Sedaris são apresentados como ensaios, não-ficção, memórias ou notas autobiográficas. Mas se o que é narrado for estritamente factual, há um mistério para resolver: como é possível que o escritor ainda não tenha sido assassinado por um seu familiar ou ex-colega de escola?
É que Sedaris escreve com um estilete de aço que crava, sem hesitar, nos sítios onde dói mais nas pessoas que lhe são mais chegadas. O seu humor é assassino, a sua capacidade para ler a natureza profunda oculta sob a fachada da linguagem e das convenções sociais é assombrosa, a coragem e despudor com que narra as mais humilhantes e embaraçosas situações mete medo. É certo que Sedaris é mestre da auto-irrisão e que a primeira vítima das suas “memórias” é ele próprio: em Álbum de Família surge como um miúdo escassamente dotado e infinitamente fátuo e depois como um jovem adulto inerme, que passa boa parte do tempo pedrado. E é verdade que algumas estocadas são desferidas com ternura e que se o primeiro resultado da leitura é a gargalhada perante a desventura alheia, o riso deixa quase sempre um travo pungente. Mas estas atenuantes não bastam para que os envolvidos passam desculpa a forma implacável como são retratados.
Independentemente do grau de distorção ou invenção, as histórias de Sedaris são perspicazes ensaios sobre a “inadequação” (não há uma boa palavra portuguesa para “inadequacy”) que aflige hoje a maior parte dos seres humanos e sobre quão complexas são as relações afectivas e quão doloroso é crescer.
Se Sedaris é capaz de extrair o grotesco e o bizarro do quotidiano anódino, a sua editora portuguesa esforça-se, pelo contrário, por desvitalizar e banalizar os originais títulos de Sedaris: When You Are Engulfed In Flames transformou-se em Diário de Um Fumador, e Dress Your Family In Corduroy and Denim deu este Álbum de Família.» – ****
José Carlos Fernandes, Time Out, Julho de 2010

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Rentrée Contraponto - Apostas a partir de Setembro!

Setembro marca tipicamente a rentrée, período em que se lançam as apostas mais fortes, desde os novos títulos, de autores já consagrados, a autores estreantes, cheios de potencial. Hoje levantamos um pouco o véu daquelas que serão as novidades da Contraponto para os próximos meses. Pegue no seu bloco de notas e comece a anotar os títulos que seleccionámos para os nossos Leitores.


A Contraponto apostará no reforço do catálogo juvenil com a estreia de uma série empolgante, cujo primeiro livro se chama Rubi – O Amor Atravessa Todos os Tempos, de Kerstin Gier (Outubro), sobre uma rapariga de 16 anos, Gwendolyn, que é capaz de saltar no Tempo.
Também será publicado o primeiro livro da série Monster High, de Lisi Harrison (Outubro).


Em Novembro, a Contraponto lançará o primeiro volume de uma série verdadeiramente explosiva: Conspiração 365, de Gabrielle Lord, em que o protagonista, Cal, tem 12 meses para resolver o enigma que rodeia a morte do seu pai ou arrisca-se a sofrer o mesmo destino. A série é constituída por 12 livros, com saída prevista de 1 volume por mês ao longo do ano de 2011.




Na área do Jovem Adulto, os leitores poderão contar com a edição do segundo volume da saga Wings, intitulado Spells, em Outubro. Para Novembro está reservado o lançamento do terceiro volume da série Academia de Vampiros, de Richelle Mead. No final do ano chega o segundo volume da série ghostgirl: O Regresso.



Quanto ao romance de ficção, O Contador de Histórias, de Rabih Alameddine é a grande aposta de Setembro. Outras estreias: Isabel Wolff, com Um Amor em Segunda Mão, e Jonathan Ames, com O Acompanhante, uma comédia urbana elegante e comovente.



Para os amantes do policial a Contraponto lançará Eu Mato, de Giorgio Faletti.

Os últimos meses do ano serão também marcados por regressos de luxo: Eileen Goudge, com O Diário, Marc Levy, com A Primeira Noite.

Já para aqueles que não resistem a uma história de vampiros, apresentamos o livro sensação do autor sueco John Ajvide Lindqvist: Deixa-me Entrar, recentemente adaptado ao cinema por Tomas Alfredson, na Suécia, e que terá também uma adaptação norte-americana dirigida por Matt Reeves (Cloverfield), a estrear nos EUA a 1 de Outubro.




Estas são pois as apostas da Contraponto para o último quadrimestre de 2010. A escolha é diversa, com títulos aliciantes, de autores consagrados. Boas leituras!

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Crítica: "O Beijo dos Elfos"

«Depois de vampiros, anjos e demónios chega-nos uma história sobre fadas pela mão de Aprilynne Pike. Aprilynne é amiga pessoal de Stephenie Meyer que foi mesmo uma das impulsionadoras da sua obra. Mas apesar disso não quer dizer que esta escritora não tenha o seu mérito, pois de facto tem.

Pegando numa mitologia muito presente em todas as culturas e no imaginário de todas as crianças a autora consegue criar uma história bonita e viciante, sem demasiadas páginas. Alternando momentos de acção com a exploração da personalidade de Laurel, a personagem principal. Apesar de algo infantil por vezes, comparado com outras obras do género, este foi um livro que me encantou pela sua simplicidade e magia e também pelo carisma das três personagens principais. Tem uma escrita rápida, simples e muito fluida o que não oferece obstáculo nenhum à sua leitura.
Resta-me esperar que a editora Contraponto publique a sua sequela o mais rapidamente possível, intitulada Spells e aconselhar a todos os que gostam de uma boa história de fantasia a leitura deste Wings

CulturWave, Julho 2010

quinta-feira, 15 de julho de 2010

A Contraponto convida os Leitores a imaginar uma história!

«Escutai. Deixai-me ser o vosso deus. Deixai-me levar-vos numa viagem para lá da imaginação. Deixai-me contar-vos uma história.»

É assim que começa O Contador de Histórias, de Rabih Alameddine, uma história irresistível, ao estilo de Mil e Uma Noites. Para assinalar o lançamento deste extraordinário livro, fizemos um desafio aos nossos leitores para que nos contassem uma história. Sim, o Leitor!
Já começámos a receber participações, algumas bem interessantes, outras curiosas e outras intrigantes! Falta receber a sua. Atreva-se! Se o seu texto for o mais original será publicado no nosso blogue e o autor receberá um prémio. Queremos saber quantos dos nossos Leitores têm uma veia literária escondida!

Imprensa: "Álbum de Família"


«É uma proeza rara: exercer um humor corrosivo e ser, simultaneamente, sentimentalão. Combina com os temas-obsessões do humorista norte-americano: as excursões ao baú das histórias familiares disfuncionais: os episódios vividos com os amigos e com o companheiro de longa data, Hugh; as cenas do quotidiano que Sedaris aproveita de maneira inusitada – seja uma visita à casa de Anne Frank, vivida como uma curiosidade imobiliária, seja o afogamento de um rato interrompido por uns turistas perdidos. Tudo arrumado em episódios curtos, hilariantes, que se devoram entre um e outro copo na esplanada.»

Visão, 8 Julho 2010

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Crítica dos Leitores: "Academia de Vampiros - Beijo Gelado"


«Neste volume, a vida de Rose complica-se à medida que a sua ligação com Lissa fica cada vez mais forte, impedindo-a de se alhear da vida da amiga! A paixão por Dimitri começa a ser cada vez mais evidente! Vamos ver aqui uma grande reviravolta de perder o fôlego! Apesar de parecer que se trata apenas de mais um livro sobre vampiros, não se iludam! Esta leitora consegue mostrar-nos, com originalidade, outra faceta dos vampiros e das suas ligações com os mortais que juram protegê-los! Se ficaram com dúvidas no volume anterior, com este vão ter a certeza de que esta é uma saga a não perder!»
Claúdia Ferreira, Segredo dos Livros


«Esta saga é, sem dúvida, uma das melhores do tipo. Ao longo dos livros, a história vai-se tornando mais intensa e mais viciante. A vida destas duas amigas é cada vez mais difícil e mais arriscada, à medida que o livro avança. Recomendo a qualquer um que goste de livros de Vampiros, esta saga que mostra uma maneira bastante diferente de ver os vampiros... Sem dúvidas, muito Bom...»
Joana, Segredo dos Livros

Passatempo “Conte-nos uma história”

Em Setembro, a Contraponto publica o livro O Contador de Histórias, de Rabih Alameddine, uma história que o levará a voar num tapete mágico pelos céus do Médio Oriente, com fábulas de princesas, de génios, de sultões e vizires, por palácios e desertos, uma espécie de Mil e uma Noites do século XXI.


«Osama al-Kharrat regressa a Beirute, depois do seu prolongado exílio voluntário na América, para estar ao lado do seu pai no leito da morte. A cidade, agora, é apenas uma sombra da Beirute de que Osama se lembra, mas a sua família e os seus amigos mantêm o espírito intacto: continuam a discutir, a rir e, sobretudo, a contar histórias. O avô de Osama era um hakawati, ou contador de histórias, capaz de adoçar os ouvidos do emir mais céptico e de despertar a imaginação mais adormecida com contos clássicos reinventados a partir da Bíblia, do Corão ou das Metamorfoses de Ovídio. O jovem Osama recolhe o legado do seu avô e começa a tecer a história da própria família, cheia de segredos, escândalos e frustrações.»

«Rabih Alameddine mistura de uma forma genial contos contemporâneos com histórias intemporais. A mestria de Alameddine a contar histórias parece infinita; construiu um romance do mais alto nível, um reflexo dos antigos e dos actuais impérios.»
Publishers Weekly


Se gostou da sinopse, temos a certeza de que vai adorar o livro.

Para assinalar o lançamento da obra, gostaríamos de colocar um desafio diferente e criativo aos nossos Leitores:

Dê largas à sua veia de contador(a) de histórias e escreva um pequeno texto (mínimo 200 palavras até ao máximo de 1 página A4), inspirado na temática ou na história de um livro editado pela Contraponto. Há muitas possibilidades, basta consultar o nosso catálogo e deixar a imaginação ganhar asas.

O texto mais original receberá como prémio 1 pack exclusivo constituído pelos livros O Contador de Histórias e A Mecânica do Coração, de Mathias Malzieu, bem como um voucher de €10,00 das Livrarias Bertrand. O texto será também publicado no nosso blogue.

Para saber como participar, leia atentamente as condições do passatempo.

Condições do passatempo:
– Os textos deverão ser enviados para o e-mail: passatp.contraponto@sapo.pt , com o nome do passatempo no Assunto, bem como o nome completo e morada, para a qual o prémio deverá ser enviado;
– O prazo deste passatempo termina a 5 de Setembro, inclusive;
– O vencedor será anunciado sexta-feira, dia 10 de Setembro;
– Só serão aceites participações de pessoas residentes em Portugal Continental e Ilhas;
– Só é aceite uma participação por pessoa;
– O júri é composto por elementos da Editora;
– A Editora reserva-se o direito de não atribuir prémio, caso o júri não considere que qualquer dos textos submetidos seja minimamente original;
– A Editora não se responsabiliza por extravios dos CTT, moradas incorrectas ou envios não reclamados.


Agora é pegar em papel e caneta, ou no teclado do computador, e começar a contar uma história. Estamos ansiosos por conhecer a veia literária dos nossos Leitores! Boa sorte e bom trabalho!

quinta-feira, 8 de julho de 2010

"Academia de Vampiros" adaptado ao cinema?

Parece estar para breve a adaptação ao cinema do livro "Academia de Vampiros", de Richelle Mead. A autora avança no seu blogue que os direitos para filme foram vendidos à Preger Entertainment. No press-release emitido pela produtora, esta explica que o interesse nesta série, cujo livro mais recente "Spirit Bound" entrou directamente para o primeiro lugar da lista de best-sellers do New York Times e do USA Today, assim como na imprensa da Austrália e da Nova Zelândia, deve-se ao facto de nos últimos meses a comunidade online ter inundado vários blogues, fóruns e redes sociais com trailers de fãs e até petições para transformar a série em filme. Poderá ler o press-release oficial aqui.
Agora é esperar que o projecto vá para a frente e comecem a procurar os actores para interpretar as personagens principais! Na vossa opinião que actores deveriam ser?

A história:

Academia de Vampiros

Após dois anos de fuga, Lissa, a princesa da elite de vampiros Moroi, e a sua amiga e protectora Rose são apanhadas e arrastadas de novo para a Academia São Vladimir, escondida nas profundezas da floresta de Montana. Aí, Rose deverá continuar a sua formação de Dhampir, enquanto Lissa será educada para se tornar rainha.

No entanto, é dentro dos portões de São Vladimir que a segurança de Lissa e Rose se encontra mais ameaçada. Os horríveis e sanguinários rituais dos Moroi, a sua natureza oculta e o seu fascínio pela noite criam um enigmático mundo repleto de complexidades sociais.
Rose e Lissa vêem-se forçadas a deslizar por este perigoso mundo, resistindo à tentação de romances proibidos e sem nunca baixarem a guarda, ou os vampiros rivais farão de Lissa uma Strigoi para a eternidade...

Lissa Dragomir é uma princesa Moroi – um vampiro mortal com um laço inquebrável com a magia da Terra –, e deve por isso ser protegida dos Strigoi – os vampiros mais ferozes e mais perigosos, os que nunca morrem.

Rose Hathaway, a sua melhor amiga, é uma Dhampir – nas suas veias corre uma poderosa mistura de sangue humano e de vampiro. Rose tem como missão proteger Lissa dos Strigoi, que tentam por todos os meios tornar a princesa numa vampira como eles.


Beijo Gelado - Academia de Vampiros - Livro II

Rose Hathaway não está a atravessar uma boa fase: o seu deslumbrante mentor Dimitri parece gostar de outra pessoa e em contrapartida o seu amigo Mason tem um fascínio enorme por ela. Para piorar a situação, Rose não consegue quebrar a ligação mental com a sua melhor amiga, Lissa, mesmo quando esta está com o namorado, Christian.

Entretanto, perante a iminência de um ataque Strigoi, a Academia de São Vladimir decide tornar a viagem anual de esqui obrigatória a todos os alunos e juntar os guardiães, inclusive a lendária Janine Hathaway – a ausente mãe de Rose.
Iludidos pela falsa segurança da paisagem cintilante e elegante do Idaho e na ânsia de vingar as vítimas dos últimos ataques dos Strigoi, três estudantes resolvem fugir para tentar encontrar e exterminar sozinhos um perigoso grupo de assassinos. Rose vê-se então obrigada a associar-se a Christian para os salvar, só que desta vez a jovem irá sujeitar-se a perigos que nunca imaginou ter de enfrentar.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Stresse pós-Mundial...

O Mundial de futebol pode ser desgastante para quem segue com atenção a sua selecção favorita. A Contraponto tem a receita para o stresse pós-Mundial: uma boa dose de leitura, com uma pitada de fantasia.

Neste mês de Julho receitamos o livro “Descalças”, de Elin Hilderbrand, uma história fresquinha para se ler na praia. Para quem prefere aventura e romance, a cura dos seus males pode ser “O Primeiro Dia”, o livro que marca o regresso de Marc Levy aos escaparates portugueses. Se ainda assim, não se estiver a sentir melhor, recomendamos uma dose de leitura de “A Filha do Sol”, de Barbara Wood, uma história envolvente que o transportará para o mundo da corte tolteca. Com estas novidades irresistíveis, não há Mundial que possa estragar o seu Verão.

Em Agosto fazemos uma pausa para preparar a rentrée de Setembro, mas antes disso haveremos de levantar um pouco o véu do que por aí vem. Esteja atento!

Espreite as novidades de Julho aqui.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Vencedor do passatempo "Explore o blogue da Contraponto"

O mais rápido a responder correctamente às perguntas do passatempo "Explore o blogue da Contraponto" foi:

Paula Cristina Dias Rodrigues
Nome de Seguidor: Tita

Muitos parabéns à vencedora que receberá como prémio um exemplar de "Quem Me Dera Que Estivesses Aqui", de Francesc Miralles, e um exemplar de "Vingança", de Karen Marie Moning.

Um agradecimento também a todos os participantes!

Não percam a esperança, porque haverá outras oportunidades!

terça-feira, 29 de junho de 2010

Crítica: "Vingança"

«MacKayla Lane continua a sua busca pelos artefactos Fae, em especial pelo seu poderoso livro negro, o Sinsar Dubh. E para além disso, também continua à procura de vingança pela morte de sua irmã Alina, brutalmente assassinada num beco de Dublin.

Como se tudo isto não bastasse, Mac ainda tem de descobrir a verdade acerca de si própria, saber quem ela e a irmã são na realidade, eliminar os seus inimigos fae e não fae, ao mesmo tempo que lida com o enigmático Jericho Barrons e com o irresistível V’lane.
Enquanto a vida da nossa protagonista anda tão agitada que ela mal sabe para onde se há-de virar e até confiar, um espectro negro esvoaçante observa todos os seus passos através de esquinas sombrias…
Vingança é um livro interessante e de escrita acessível, que se lê bastante bem, embora tenha sabido a pouco. Karen Marie Moning continua a conseguir cativar o leitor com os seus mistérios, lutas e personagens. Contudo, é também um pouco previsível.
Apesar de adorar toda a temática da obra, o seu ponto forte é, quanto a mim, a personagem de Jericho Barrons. Este é um homem atraente, extremamente intrigante e cheio de mistérios. Não revela nada acerca de si próprio e cada vez que surge tem o dom de nos confundir, fazendo com que coloquemos diversas questões: “Quem é ele realmente?”, “Qual a sua história?”, “Porque quer possuir o Sinsar Dubh”, “O que quer realmente de Mackayla?”
No fim, Karen Marie Moning deixa-nos cheios de vontade de saber mais acerca das videntes de sidhe e das relíquias dos Fae. Posto isto, ficamos a aguardar com expectativa a chegada do próximo volume, que esperemos, não demore muito a vir parar às bancas.»
Bela Lugosi Is Dead

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Elogios: "Desculpa, mas Vou Chamar-te Amor"


«O livro é fantástico e imperdível para quem gosta de um bom romance.»
Joana Dias, Páginas Com Memória

«Uns dos trunfos para captar a atenção dos leitores são as constantes alusões a referências culturais, sem desprezar a intensidade dos sentimentos e as atitudes rebeldes que caracterizam a adolescência.

Adoro o seu estilo rápido, ligeiro e coloquial com uma descrição de situações muito próximas da realidade, o que favorece a sua escrita de uma grande fluidez.»
Cátia Silva, Segredo dos Livros

«Uma escrita fluida, cativante e muito divertida. Um livro que aconselho que todos devem ler. Quer acreditemos ou não no amor, mas preparem-se porque vão ficar a suspirar por um amor assim...»
Esmiuça o Livro

Passatempo “Explore o blogue da Contraponto”

Para começar a semana em grande, propomos um passatempo. Colocamos o desafio de explorar o nosso blogue, que foi recentemente renovado – vale a pena ficar a conhecer “os cantos à casa”.

O primeiro Seguidor que responder correctamente às três perguntas que colocamos abaixo receberá como prémio os seguintes livros:

- Quem Me Dera Que Estivesses Aqui, de Francesc Miralles

- Vingança, de Karen Marie Moning

Antes de passarmos às perguntas, leia atentamente as condições:

- As respostas às perguntas poderão ser encontradas neste blogue;

- As respostas deverão ser enviadas para o e-mail: passatp.contraponto@sapo.pt, com o nome do passatempo no Assunto, bem como a identificação do nickname de Seguidor, nome completo e morada, para a qual os livros deverão ser enviados;

- O prazo deste passatempo termina a 30 de Junho, às 23:59;

- O vencedor será anunciado quinta-feira, dia 1 de Julho;

- Só serão aceites participações de Seguidores do blogue, residentes em Portugal Continental e Ilhas (caso não seja Seguidor, poderá tornar-se facilmente através da opção disponível na coluna direita do blogue);

- Só é aceite uma participação por Seguidor;

- A editora não se responsabiliza por extravios dos CTT, moradas incorrectas ou envios não reclamados.


Agora sim, vamos às perguntas:

1. Quantos mini-blogues tem a Contraponto?

2. Quem é o autor do livro O Beco dos Milagres?

3. Qual o título em português do livro da Contraponto cujo título original é Dress Your Family In Corduroy and Denim?


Boa sorte!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Imprensa - "O Vale das Bonecas"

«Em 1996, Candace Bushnell descobriu a receita (seu) sucesso ao escrever sobre as vidas de quatro nova-iorquinas, mas a fórmula estava longe de ser nova. Já em 1966, Jacqueline Susann escrevia sobre Anne, Neely e Jennifer, três mulheres que entre as vertigens da ambição e do amor, encontravam nos comprimidos um porto de abrigo seguro. Apesar das críticas que coleccionou ao longo dos anos, O Vale das Bonecas acabou por se tornar no maior best-seller feminino de todos os tempos, tendo sido adaptado ao cinema, ao teatro e à televisão. No prefácio da edição agora lançada pela Contraponto, Margarida Rebelo Pinto conclui: "Em última análise, ninguém tem o poder e o saber para decidir o que é ou não literatura. Só o tempo e o público possuem essa capacidade." Meio século e 30 milhões de exemplares depois, O Vale das Bonecas continua apetecível. Com uma capa orgulhosamente cor-de-rosa.»

in Máxima, Julho de 2010

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Destaque: "Vingança"

.
À noite, todas as regras são esquecidas...

***


Segundo volume da série "Fever", iniciada com Anoitecer.

A vida normal de MacKayla Lane sofreu uma transformação radical quando ela aterrou nas costas da Irlanda e se viu mergulhada num mundo de feitiçaria mortífera e segredos antigos.

Na sua luta para continuar viva, Mac tem de encontrar o Sinsar Dubh — um livro da magia mais negra imaginável, com um milhão de anos, que contém a chave para o poder sobre o mundo dos Fae e do Homem. Perseguida por assassinos Fae, rodeada por figuras misteriosas nas quais sabe que não pode confiar, Mac dá por si dividida entre dois homens mortíferos e irresistíveis: V’lane, o Fae insaciável que consegue transformar a excitação sensual numa obsessão para qualquer mulher, e o sempre inescrutável Jericho Barrons, um homem tão atraente como misterioso.
Durante séculos, o reino sombrio dos Fae coexistiu com o dos humanos. Agora as paredes que os separam estão a desmoronar-se e Mac é a única coisa que se ergue entre eles…

Karen Marie Moning seduz, encanta e faz rir a bandeiras despregadas, com a sua escrita fluida e a sua capacidade de contar histórias que envolve o leitor num ambiente carregado de suspense e erotismo, deixando-o a ansiar por mais.

Para saber mais sobre a autora e os livros poderão visitar o blog da série: http://feverportugal.blogs.sapo.pt/
.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Resultado do sorteio "Obrigado Seguidor"

.
Mais uma vez agradecemos a forma entusiástica como os nossos Seguidores aderiram a esta iniciativa de angariação! Muitos parabéns a todos: ultrapassámos os 50 Seguidores em apenas algumas horas!

E o vencedor do sorteio é o Seguidor: Célia M.

Muitos parabéns ao vencedor! Receberá em casa 1 exemplar de cada um dos seguintes livros:

"O Beijo dos Elfos - Wings", de Aprilynne Pike

"Desculpa, mas Vou Chamar-te Amor", de Federico Moccia
"O Vale das Bonecas", de Jacqueline Susann


Solicitamos ao Seguidor Célia M. que nos envie um e-mail com o seu nome completo e morada, e indicação do passatempo "Obrigado Seguidor" do qual é vencedor no assunto, para o seguinte e-mail: passatp.contraponto@sapo.pt

Continuamos a contar com a vossa adesão ao nosso blog, onde poderão conhecer todas as nossas novidades, a cada mês, de livros que marcam a diferença!
.

Um obrigado aos nossos Seguidores!

Com "S" grande!
Já vamos nos 38 seguidores do blog oficial da Contraponto! Que tal chegarmos aos 50? Toca a recomendar nos vossos blogs, páginas de facebook, twitter, etc.! Sim, porque quando chegarmos aos 50 Seguidores teremos um pack exclusivo de livros para sortear!

Aqui ficam os títulos que fazem parte do pack de oferta:

"O Beijo dos Elfos - Wings", de Aprilynne Pike
"Desculpa, mas Vou Chamar-te Amor", de Federico Moccia
"O Vale das Bonecas", de Jacqueline Susann




E quando chegarmos aos 100 teremos mais surpresas para os nossos Seguidores!

Agora é passar a palavra! Estamos a contar convosco! :-)

Destaque: Mecânica do Coração


«Primeiro, não toques nos ponteiros.

Segundo, domina a tua cólera.

Terceiro, nunca, mas nunca te apaixones porque senão,

no relógio do teu coração, o grande ponteiro das horas

trespassar-te-á a pele, os teus ossos implodirão

e o mecanismo avariar-se-á de novo.»
 
***
 
 

Crítica "Se Houver Um Paraíso"

.
«Thriller psicológico intenso e poderoso

De 1982 até 2000, um antigo, e mítico, forte dos cruzados chamado Beaufort, localizado no monte mais alto do Líbano, constituiu a linha da frente do Exército de Defesa de Israel, conhecido pelo acrónimo hebraico "Tzahal", contra a guerrilha radical xiita do Hezbollah. A qual nunca deu descanso aos soldados israelitas ali destacados, promovendo bombardeamentos diários com morteiros e tentativas de assalto esporádicas mas assertivas.
O livro de Ron Leshem retrata com uma plasticidade etnográfica que não se resume à linguagem de caserna, o quotidiano da última companhia chamada a ocupar o forte, entregue ao comando de Erez Libreti. E será pelas inquietações, interrogações, aflições e raras alegrias daquele jovem oficial, demasiado feroz e voluntarioso para o gosto das altas patentas, mas de bravura inquestionável e respeitado pelos adolescentes fardados entregues ao seu comando, que Leshem introduz o debate em torno de aspectos estruturantes de uma sociedade que vive, literalmente, em armas a todo o tempo.
Narrado exclusivamente pela óptica de Libreti que, viciado pela adrenalina que a guerra induz, abdica, embora sofrendo, da relação com a mulher que sempre julgou indigno de amar, o leitor assiste ao terçar de argumentos entre ortodoxos e laicos, pacifistas e belicistas, covardes e estóicos. Até à derradeira retirada, sob fogo intenso, de um punhado de meninos que se fizeram homens, entretanto, num baptismo de fogo. E do sangue dos camaradas ali tombados na fuga desvairada. Intenso e poderoso, mais do que um livro de guerra, "Se houver um paraíso" será antes de um thriller psicológico muito recomendável.»

in Jornal de Notícias, Junho de 2010
.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Crítica - "Quem Me Dera Que Estivesses Aqui"

.
«Iniciei a leitura deste "Quem Me Dera Que Estivesses Aqui" inspirada pelo título sugestivo e guiada pelas críticas muito positivas que tinha lido sobre o romance anterior do autor, "Amor em Minúsculas". Confesso que, a princípio, a descrição da vida sem sentido do personagem principal não me agradou especialmente. A história arrastava-se e não parecia conduzir a lado nenhum. Mas tudo mudou subitamente quando este decide partir e fazer alguma coisa, por mais disparatada que seja! Seguem-se uma série de acontecimentos, tão inesperados como quase desconexos, que me prenderam ao livro por surpresa e curiosidade! Demonstrando mais arte do que inicialmente se poderia suspeitar, o autor consegue unir os acontecimentos em torno de Daniel de forma impressionante, deixando um sorriso rasgado ao longo das últimas páginas a quem tem o livro na mão!


História à parte, há vários pontos que me agradaram especialmente e que gostaria de realçar sobre este livro. Entre eles, estão as várias referências a literatura, cinema e música que o autor vai introduzindo a propósito da história e são verdadeiros doces escondidos. Mais me agradaram as descrições de um Paris pouco turístico, como ainda não conheço e tenho real vontade de conhecer, que fazem do livro quase um guia de pequena jóias escondidas na cidade.

Um romance "disfarçado" que agradará a românticos declarados e aos que não o costumam confessar. Mais filosófico do que possa pensar, este livro vai, com certeza, fazer as delícias de muitos.

P.S.: Apaixonei-me pela capa!»

in Páginas Desfolhadas
.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Crítica "O Beijo dos Elfos"

.
«Quando peguei no livro "O Beijo dos Elfos" não sabia absolutamente nada acerca deste, nem a sinopse tinha lido… De férias e sem nada para ler pedi-lhes um livro, tendo surgido logo de seguida 4 ou 5 à escolha! Escolhi este apenas pela capa e pelo título (já que sou uma fã incondicional do Fantástico!). Comecei de imediato a lê-lo e, apesar de ser claramente um livro para adolescentes, ao fim de dois capítulos já me tinha prendido. Com uma escrita bastante fluida e acessível, Aprilynne Pike encanta-nos com a história fantástica duma rapariga de 15 anos, em muito igual a tantas outras e, ao mesmo tempo, tão diferente de tudo o que conhece. Depressa vamos tomando consciência do mundo mágico a que pertence, deixando-nos envolver pelas atribulações e descobertas desta jovem.

O que apreciei mais neste livro foi o facto de não se tornar demasiado previsível e óbvio, conseguindo manter um certo suspense até ao fim. Quando julgamos saber o que vem a seguir, logo uma reviravolta surge que nos mantém “agarrados”! Penso, também, que a autora foi bem sucedida na sua tentativa de unir factos históricos com a fantasia, mantendo a coerência do texto.

Embora se trate de um livro juvenil, julgo que os fãs do fantástico não ficarão desiludidos com este livro. Fico, então, a aguardar pelo próximo livro!»

in Páginas Desfolhadas

terça-feira, 8 de junho de 2010

Em Julho



Um objecto misterioso encontrado num vulcão adormecido vai mudar para sempre a vida de Adrian e Keira. Juntos embarcarão numa aventura extraordinária que os levará das margens do lago Turkana, no coração de África, até às montanhas da China, em busca da resposta a uma das perguntas ancestrais da humanidade: como começou a vida na Terra?


Keira é uma arqueóloga ambiciosa e cheia de paixão que está a dirigir a sua primeira escavação no vale do Omo, na Etiópia. Quando uma tempestade de areia destrói a escavação, ela não tem outra hipótese senão abandonar a expedição e regressar a Paris. Traz consigo uma jóia estranha que lhe foi oferecida por um órfão etíope…

Adrian é um astrofísico de sucesso que está de licença sabática a fazer investigação num observatório remoto, no planalto de Atacama, no Chile. Contudo, incapaz de lidar com o ar rarefeito da altitude montanhosa, é obrigado a regressar a Londres.

Enquanto competem por uma bolsa prestigiosa em Londres, os caminhos de Keira e Adrian cruzam-se. Acidentalmente, Keira deixa a sua jóia com Adrian, fazendo despertar a sua curiosidade científica. Adrian começa a investigar as origens desta enigmática jóia, e rapidamente se apercebem de que há misteriosas personagens atrás do precioso objecto…

«Uma aventura de cariz científico com uma bela história romântica como pano de fundo.»
La République

«Um romance épico, uma história de aventuras imperdível.»
Nice Matin

terça-feira, 1 de junho de 2010

Novidades para Junho

Lançamento: 11 de Junho

Álbum de Família

David Sedaris

David Sedaris anda pela vida com um caderno de notas. Nele, aponta todas as bizarrias que vê e que, para a maior parte de nós, até poderiam parecer normais – até passarem pela peneira da ironia de Sedaris. Neste livro, reúne ensaios e memórias sobre alguns dos seus temas favoritos: a família, os relacionamentos e os desconhecidos meio loucos que encontramos no autocarro, na fila do supermercado ou até no apartamento do lado.

Sobre o autor:
David Sedaris é um dos escritores de humor mais conhecidos e de maior sucesso nos EUA. Este mestre da sátira colabora regularmente com a New Yorker, a Esquire, a G.Q. e a NPR. É autor de vários best-sellers internacionais e a sua obra, publicada em mais de 15 idiomas, conta já com mais de 7 milhões de exemplares vendidos só nos EUA. Em 2001, foi galardoado com o Thurber Prize for American Humor e, no mesmo ano, a revista Time considerou-o o humorista do ano.

Elogios:
«Parece que a família Sedaris foi posta neste mundo só para nos entreter. As cómicas descrições de Sedaris dos seres mundanos e excêntricos que habitam o nosso planeta fazem dele um dos grandes humoristas de sempre.»
Chicago Tribune

«Aqui está a família Sedaris em toda a sua bizarra glória. O que emerge deste livro é o humor mais profundo – o da comédia humana.»
Publishers Weekly

«Brutalmente honesto e brilhantemente eloquente, Sedaris é um verdadeiro tónico para a alma.»
Booklist

«Um dos jovens talentos americanos mais mordazes e deliciosos.»
The Washington Post
ISBN: 978-989-666-033-8; 200 pág.; € 16,50

Título original: Dress Your Family in Corduroy and Denim




Lançamento: 11 de Junho

A Chave do Saber

Nora Roberts

Três mulheres. Três chaves. Cada uma das mulheres tem vinte e oito dias para descobrir o seu caminho através de uma perigosa busca que as poderá levar ao encontro dos seus sonhos... ou destruir para sempre as suas vidas.


Para Dana Steele, a literatura e o conhecimento a ela inerente é o que define a sua vida. Porém, o saber assume agora uma maior importância, pois é através dele que poderá descobrir uma das chaves que irá libertar três almas capturadas por um deus maléfico.

A sua missão não parece ser fácil, sobretudo porque o homem que a desiludiu reaparece, impedindo-a de se concentrar no verdadeiro perigo que a ameaça. Contudo, a amizade de Malory e Zoe ajudá-la-á a lidar com o seu passado, presente e futuro, para poder alcançar o sucesso.

O que acontece quando os deuses dependem da ajuda dos mortais? Neste segundo volume da empolgante TRILOGIA DAS CHAVES, Dana, com a sua paixão pelos livros, continua a busca que a levará a descobrir a Chave do Saber.

Sobre a autora:
Nora Roberts é uma reconhecida autora desde que começou a escrever as suas primeiras histórias em 1979.
Considerada uma das melhores romancistas do mundo, sabe combinar amor, intriga e mistério na perfeição. Recebeu vários prémios RITA, (Romance Writers of América), e é membro do Mistery Writers of America e do Crime League of America.
Os seus inúmeros romances estão traduzidos em diversos idiomas e muitos deles deram já origem a filmes. Com cerca de 160 livros na lista dos mais vendidos do New York Times até à data, Nora Roberts é indiscutivelmente a escritora de ficção feminina mais célebre e amada dos nossos dias.
Actualmente vive em Maryland, nos Estados Unidos da América, com o seu marido.
http://www.noraroberts.com/

ISBN: 978-989-666-081-9 ; 272 pág.; € 16,90
Título original: Key of Knowledge
.